Sindicato dos Trabalhadores Rurais

História e Presidentes

· A Sindicato dos Trabalhadores Rurais de São José da Coroa Grande iniciou suas atividades em 1961, como Delegacia, subordinada ao Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Barreiros, tendo sido reconhecido como sindicato independente em 01 de abril de 1968, sendo nomeado como presidente o Sr. José Pereira.
· De 1961 a 1968 era governado por juntas, tendo a responsabilidade de indicação dos membros o então Delegado Regional do Trabalho Dr. Romildo Alves Leite.
· Em 29 de junho de 1969, tomaram posse os representantes eleitos José Bandeira de Melo ( presidente ), Antônio Gomes de Melo ( tesoureiro ) e Amaro José da Silva ( secretário ).
· Em 1972 o então presidente matou seu pai e foi afastado, tendo havido um remanejamento, para cumprimento do primeiro mandato, passando Antônio Gomes de Melo para presidente, Amaro Eleotério de Oliveira para tesoureiro e Amaro José da Silva para secretário.
· Em maio de 1972 foram homologados os então representantes, através de eleição, para um mandato de 1972 a 1975.
· De 1975 até 1999 ficaram como representantes Amaro Eleotério de Oliveira ( presidente ), Eufrausino Joaquim da Silva ( tesoureiro ) e Antônio Gomes de Melo ( secretário ). Neste período chegou a contemplar cerca de 16 engenhos e de 400 a 600 associados. De 1999 até 2005 os representantes continuam os mesmos, sendo apenas considerada a substituição de Eufrausino Joaquim da Silva por Severino dos Ramos Silva.

Conflitos e Conquistas

· A crise do setor agroindustrial canavieiro, culminando com o fechamento da Usina Central Barreiros em março de 1998, e das divisões de terras pela reforma agrária, afetou significativamente as atividades do sindicato que em 2003 registra apenas os engenhos Manguinhos e Queimadas, com cerca de 130 associados.
· De 1961 a 1979 foram anos de constantes conflitos entre trabalhadores e patrões, envolvendo, entre outras reivindicações, a dimensão da braça e da limpa. Em setembro de 1969, a braça passou de 2,20 m para 2,00 m, após a deflagração de uma greve de 8 dias, tendo iniciado no Engenho Buenos Aires.
· Em setembro de 1979, tendo à frente José Rodrigues da Silva com o presidente, a Federação dos Trabalhadores em Agricultura do Estado de Pernambuco - FETAPE, começaram as lutas para o cumprimento da lei 4330/64, que rezava sobre as condições de dignidade dos trabalhadores rurais.
· Em 1982 estava na pauta do dissídio o salário família e o salário maternidade, tendo a FETAPE sido representada no julgamento pelo Tribunal Superior do Trabalho por 22 sindicatos. A aprovação significou uma grande conquista dos trabalhadores e também um imenso trabalho para o sindicato, para providenciar o registro dos filhos dos canavieiros.
· Até 1998, o sistema de pagamento dos canavieiros era um salário considerando 2400 kg de cana/dia. Quando ultrapassava a meta era pago o equivalente ao acréscimo da tonelada, Hoje está considerado 3.000 kg de cana/dia. Ressalta-se que anteriormente a cana somente era pesada após amarrada pelo canavieiro e atualmente grande parte é transportada para os caminhões por colheitadeiras.