PODERES PÚBLICOS

Prefeitura

A Prefeitura Municipal de São José da Coroa Grande contava em 2003 com uma estrutura composta por secretarias de Administração e Finanças; Ação Social e Promoção da Cidadania; Agricultura, Pesca e Meio Ambiente; Saúde; Turismo e Esportes; Viação, Obras e Serviços Públicos e Planejamento.

Prefeitos

José Maria de Albuquerque Belo

Tomou posse em 11 de abril de 1962, às 16 horas, na sede da Prefeitura Municipal, na Praça Constantino Gomes, como primeiro prefeito, interino, nomeado através do ato 937, de 05/04/1962, pelo então governador Cid Sampaio, para atender à lei 3340, de 31/12/1958, que tratava da criação do município de São José da Coroa Grande, conforme ata escrita por Thereza Gomes Ferreira Santos, tendo como juiz de direito Dr. Aníbal Vanderlei Cavalcanti.
Na ocasião da posse estiveram presentes várias personalidades, dentre as quais: Joanita Gomes Ferreira, Manoel Florentino, Marinita Gomes Ferreira, Antônio Valdemar A. Belo, Inaldo Acioli, Arlindo Cidrin, Cezar Macedo, João O. Belo, João Ramos Rocha, Elio de Souza Wanderley, Marinita Zacarias de Verçosa, Miguelita Zacarias de Verçosa e Maria de Lourdes W. Belo.
Ressalta-se que, antes da nomeação como prefeito interino, o mesmo foi sub-prefeito do distrito de São José da Coroa Grande. Faleceu em 16 de janeiro de 1972
Principais realizações: Organização administrativa do recém criado município, tendo o recém criado município recebido do governo do Estado de Pernambuco o valor de Cr$ 500.000 ( quinhentos mil cruzeiros ).

Bráulio de Rocha Cavalcanti

Tomou posse em 15/11/1962, às 17 horas, como primeiro prefeito eleito, conforme eleição de 07/10/1962, para o período de 1962 a 1966, conforme reza ata escrita por Marinita Zacarias de Verçosa.
Em 15/03/1966 solicitou licença para tratamento de saúde, tendo assumido a prefeitura Amaro Marcelo Melo, então presidente da Câmara de Vereadores.
Renunciou ao mandato e em 10/08/1966, tendo assumido a prefeitura Amaro Marcelo Melo, passando a presidência da Câmara de Vereadores para Benedito Moysés da Silva. Faleceu em 24/09/1967, vítima de infarto fulminante.
Principais realizações: Implantação de energia elétrica da Celpe, em substituição em “motor de luz”, construção da Escola Carlos Dias, do Mercado Público e do chafariz. Observa-se que o projeto de criar uma avenida a beira mar não teve a receptividade esperada entre alguns coroenses, o que muito desgosto lhe causou.

Severino Ramos Alves

Tomou posse em 13/09/1966, às 14 horas, como interventor nomeado em 24/08/1966, por razão de renúncia do então prefeito Bráulio da Rocha Cavalcanti, pelo então Presidente da República Humberto Castelo Branco, conforme ofício G/1089-B de 05/09/1966 e protocolado com o nr. 57.681/66, tendo permanecido no cargo até 01/12/1966. Ressalta-se que a posse foi lavrada conforme livro de termos de posse no gabinete do ministro da justiça e negócios interiores ( folha 204 ), perante o ministro Dr. Carlos Medeiros Silva, tendo como procurador outorgado de Severino Ramos Alves o Sr. Amaury Gomes Pedrosa.
Diplomado em 28/11/1970, tomou posse em 01 de dezembro de 1970, como prefeito eleito em 15 de novembro de 1970, com um total de 995 votos, tendo a eleição sido presidida pelo juiz o Dr. Anthenor Barreto da Rocha Pimentel Belleza. Exerceu a função até 29 de janeiro de 1973
Diplomado em 16/12/1976, tomou posse em 31/01/1977, como prefeito eleito em 15/11/1976, com um total de 767 votos, para o período de 1977 a 1982. Na época era juiz de direito o Dr. Carlos Xavier Paes Barreto Sobrinho ( primeiro juiz da comarca de São José da Coroa Grande )
Em virtude de solicitações de licenças, em 12/01/1979 e 28/04/1980, assumiu a prefeitura o então vice-prefeito Manoel Pedro dos Santos.
Nasceu em Rio Formoso, em 25 de março de 1935, tendo passado a morar em São José da Coroa Grande em 1965, quando foi nomeado dentista do município. Merece destaque na vida pessoal o hobby de criação de pássaros, pelos quais tem imenso cuidado.
Principais realizações: Construções das praças Constantino Gomes e Fogo Simbólico; construções dos postos de saúde de São José da Coroa Grande e dos distritos de Abreu do Una e Várzea do Una; construção da escola de Várzea do Una e das instalações do Bandepe, Correios, Cibrazem e repetidora de TV.

João Francisco de Melo

Toma posse em 01/12/1966, como prefeito eleito em 15/11/1966, com 869 votos, para o período de 1967 a 1970, tendo como vice-prefeito Antônio Bernardino de Carvalho Sobrinho. A eleição foi presidida pela primeira juíza do Estado de Pernambuco, Dra. Magui Lins de Azevedo. Faleceu em 03 de outubro de 1969, vítima de um desastre automobilístico em Barreiros.
Principais realizações: Iniciou a construção da escola que atualmente tem seu nome “João Francisco de Melo” e do Matadouro Público, tendo também concluído a iluminação pública do distrito de Várzea do Una.
Registra-se ainda que em 1951 foi eleito como sub-prefeito de Puirassú ( São José da Coroa Grande ), com 393 votos.

Antônio Bernardino de Carvalho Sobrinho

Tomou posse em 04/10/1969, após o falecimento do então prefeito João Francisco de Melo, tendo exercido o mandato até 30/11/1970. Faleceu no dia 01/09/1980.
Principais realizações: Concluiu as construções da Escola João Francisco de Melo e do matadouro público e transformou o prédio do “motor de luz” na prefeitura municipal.

Manoel Florentino de Albuquerque

Toma posse em 30/01/1973, como prefeito eleito em 15/11/1972, com um total de 778 votos, para o período de 1972 a 1976, tendo a eleição sido presidida pelo juiz Josué Antônio Fonseca Lins.
Em virtude de solicitação de licença médica, assume a prefeitura o então vice-prefeito José Xavier da Silva em 01/02/1976. Registra-se ainda que de 1947 a 1955 foi sub-prefeito eleito e em 1959 eleito como vice-prefeito de Barreiros, vindo a falecer em 18/11/1992.
Principais realizações: Instalação de biblioteca pública e construção da quadra da Escola João Francisco

Ciro Teles de Carvalho

Tomou posse em 31/01/1983, como prefeito eleito em 15/11/1982, com 843 votos, para o período de 1983 a 1988, tendo o mandato cassado, quanto assumiu o então vice-prefeito Walter Farias Sales, em 30/04/1984.
Foi depois reintegrado às funções de prefeito em 10/05/1984, em virtude de liminar de mandato de segurança expedida pelo juiz Anthenor Pimentel Belleza, conforme ofício 42/84.
Principais realizações: Sua administração foi conturbada e teve como registro, conforme lembram os que participaram do governo a grande capacidade de minorar as condições de falta de áreas para construção de habitação das famílias sem terra, apesar de ter criado problemas de ocupação do solo.

Valéria Cardoso Lins

Tomou posse em 01/01/1989, como prefeita eleita em 15/11/1988, obtendo 2.222 votos, para o período de 1989 a 1992, tendo como vice-prefeito Antônio Gomes de Melo.
Principais realizações: Iniciou a construção da maternidade, instalou postos telefônicos em distritos e engenhos e adquiriu ônibus e ambulância.

Lívio de Oliveira Tenório

Tomou posse em 01/01/1993, como prefeito eleito em 03/10/1992, em pleito que obteve 2.345 votos, para o período de 1993 a 1996, tendo como presidente da Câmara de Vereadores José Gomes da Silva. Registra-se a ausência da prefeita anterior.
Foi assassinado no dia 10 de abril de 1994, por Marivaldo Guedes, a mando do então vice-prefeito Fernando José, tendo sido registrados no município vários distúrbios. Para a manutenção da ordem, foi nomeado como interventor o promotor Antônio Nunes Cabral, em 23/04/1994.
Em 20/09/1994, o então presidente da Câmara de Vereadores, Domingos Sávio Lima de Moura foi investido no cargo de prefeito, por força de liminar do mandado de segurança, recebendo-o do interventor Antônio Nunes Cabral.
Em 30/09/1994 assume como interventor Abelardo Ribeiro de Godoy, conforme decreto nr. 17.918 de 28/09/1994, até a definição da posse do então presidente da Câmara de Vereadores Gilvan da Fonseca Lins.
Principais realizações: Instalação de Destacamento da Polícia Militar, resgate da comarca do município, implantação de sistema de abastecimento d´água e criação de plano de carreira do servidor municipal.

Gilvan da Fonseca Lins

Tomou posse em 01/01/1995, tendo governado o município em uma situação desfavorável em decorrência dos fatos até 1996. Registra-se a ausência do então interventor Abelardo Ribeiro Godoy.
Principais realizações: Calçamento de ruas do bairro Lívio Tenório, reformas de postos de saúde e aquisição de ônibus para a Secretaria de Educação.

Quirino Fábio de Carvalho

Tomou posse em 01/01/1997, para o período de 1997 a 2000, tendo como vice-prefeito Claudemiro Francisco das Chagas. Compareceram à posse, entre outras autoridades, o pároco Gianfranco Armellin e a promotora Eva Regina A. Brasil, registrando-se a ausência de prefeito anterior.
Tomou posse do segundo mandato em 01/01/2001, como prefeito eleito para o período de 2001 a 2004, tendo como vice-prefeito Walter Farias Sales
Nasceu no Engenho Beija Flor – Água Preta, em 29 de maio de 1960, sendo casado com Cleide Maria Chagas de Carvalho, com quem teve dois filhos, sendo ainda membro da Assembléia de Deus.
Principais realizações: Reforma da Praça Constantino Gomes, pavimentação da av. João Francisco de Melo e de outras vias, construção de dique e praça em Várzea do Una, das escolas de Tentugal, Queimadas e Bairro Lívio Tenório, do posto de saúde de Tentugal e aquisições de ônibus e ambulâncias.

Comarca

A comarca de São José da Coroa Grande foi criada no governo do Dr. Otávio Correia de Araújo, de acordo com a lei 3.340 de 31 de dezembro de 1958, mas somente sido instalada em 15 de maio de 1962 quando da instalação do município, tendo sido depois extinta no governo do Dr. Nilo de Souza Coelho, de acordo com o decreto lei 61, de 05 de agosto de 1969, passando então a ser Termo da Comarca de Barreiros.
Foi restaurada a comarca, de acordo com a lei 10.629, de 18 de outubro de 1991, sendo reinstalada em 11 de abril de 1993, conforme ato presidido pelo estão presidente do Tribunal de Justiça de Pernambuco Dr. Carlos Xavier Paes Barreto Sobrinho.
Em 03 de fevereiro de 1999, conforme ato nr. 144, do presidente do Tribunal de Justiça de Pernambuco Dr. Etéreo Galvão, foi designado do Dr. Rogério Lins e Silva para presidir os trabalhos de desativação da Comarca, passando novamente a ser termo de Barreiros. Observa-se que, tal atitude, por não ter sido feita através de decreto lei, foi considerada irregular e depois corrigida conforme ato nr. 1624, publicado no Diário Oficial do Poder Judiciário de 08 de novembro de 2001, assinado pelo presidente do Tribunal de Justiça de Pernambuco Dr. Nildo Nery dos Santos, tendo sido designado o Dr. Rogério Lins e Silva para presidir os trabalhos de reinstalação da comarca.
Em 2003 era responsável pela comarca a Dra Carla de Vasconcelos Rodrigues Florêncio, tendo como promotor público o Dr. Luis Sávio Loureiro da Silveira.
Foram juízes, entre outros, os doutores Carlos Xavier Paes Barreto Sobrinho ( primeiro juiz da comarca, nomeado em 02 de maio de 1962, para dar termo à instalação em 15 de maio do mesmo ano, tendo também acumulado Barreiros ); Cláudio Américo de Miranda ( acumulando Barreiros ); Napoleão Tavares, Magui Lins Azevedo e Etério Ramos Galvão.
Conforme Dr. Carlos Xavier Paes Barreto Sobrinho, o primeiro oficial de justiça concursado chamava-se Adalberto Barbosa e o primeiro promotor Romualdo Marques. Depois vieram outros promotores, como Luiz Rangel Moreira e Margarida Pontes Rodrigues.
Observa Dr. Elio de Souza Vanderlei, que no período em que desempenhava as funções de juíza de São José da Coroa Grande, Dra Magui Lins de Azevedo promoveu um júri onde, por coincidência, a promotora, a delegada e todos os jurados eram mulheres, fato que ficou conhecido e divulgado nos noticiários como “O Júri de Saias”.

Cartórios

Graças ao empenho da atual escrivã e oficiala do Registro Civil de São José da Coroa Grande, Maria do Carmo Batista Barbosa Silva, foi possível resgatar importantes registros, dentre os quais sobre titulares do referido cartório, nascimentos, casamentos, óbitos:

Cartório do Registro Civil

Escrivãos e Períodos

• João Faustiniano das Neves ( 11/out/1893 a 27/out/1893 )
• João Cláudio Vieira de Moraes ( 28/nov/1893 a 12/jan/1895 )
• Pedro Nolasco de Souza ( 25/abr/1895 a 15/lul/1895 )
• Romeu de Albuquerque Santos ( 15/jul/1895 a 15/fev/1903 )
• Mário de Albuquerque Santos ( 31/dez/1903 a 24/mar/1945 )
• Thereza Gomes Ferreira Santos ( 12/abr/1945 a 18/fev/1965 )
• Joana Gomes Ferreira – interina ( 03/mar/1965 a 05/abr/1965 )
• Marinita Verçosa de Vasconcelos ( 08/abr/1965 a 30/mar/1990 )
• Maria do Carmo Batista Barbosa Silva ( desde 03/abr/1990 )

Distritos e Município

• 20 distrito de Barreiros ( 11/out/1893 a 21/nov/1949 )
• 30 distrito de Barreiros ( 08/dez/1949 a 25/abr/1962 )
• Município de São José da Coroa Grande ( desde 11/abr/1962 )

Quando Distrito de Barreiros

• 10 nascimento: Hoquildes, nascido em 30 de agosto de 1893, filho de Sabino Ignácio da Silva e Eutervina Ferreira dos Anjos, conforme livro 1, folha 1, nr 1, lavrado em 11 de outubro de 1893.
• 10 casamento: em junho de 1894 ( data ilegível ), de Herculano Fernandes Cunha, com 21 anos, e Juvina Cyriaca de Oliveira, com 17 anos.
• 10 óbito: em 22 de setembro de 1893, de Rosa Maria da Conceição, Filha de Berto de Tal e de Maria de Tal, conforme livro 1, folha 1, nr. 1.

Quando Município

• 10 nascimento: Alice Belmiro da Silva, nascida em 20 de setembro de 1912, filha de Belmiro Manoel da Silva e Maria Ana da Conceição, conforme livro 9, folhas 247, nr 3.298, lavrado em 25 de abril de 1962.
• 10 casamento: em 22 de abril de 1962, de Adelino Vicente do Nascimento e Amara Cláudio Bandeira, a qual passou a usar o nome de Amara Bandeira do Nascimento, conforme livro B-4, folhas 72, nr 275.
• 10 óbito: em 12 de abril de 1962, de Julita Tavares da Silva, filha de Antônio Tavares da Silva e Joaquina Maria da Conceição, conforme livro C-11, folhas 54v, nr 4.734, lavrado em 13 de abril de 1962.

Cartório de Notas

O cartório de notas teve como escrivãos os doutores Elio de Souza Vanderlei e Wilson Luiz da Silva.

Escritura Pública

• Conforme “Livro de Notas”, aberto em 30 de novembro de 1957, do Cartório de Registro de Notas, que funcionava na rua Júlio Belo 92, tendo como juiz da comarca de Barreiros Aníbal Vanderlei Cavalcanti, a primeira escritura pública data de 02 de maio de 1958, rezava a compra e venda de uma casa na rua João da Mata 245, na vila Puirassú, tendo como outorgantes o Sr. Tertuliano Alves da Silva, pescador, e sua esposa Julita Tavares da Silva, doméstica, e como comprador o Sr. Estevam Alves Pacheco, tendo o valor de cr$ 7.000,00. A casa era construída em tijolos e coberta com telhas, tendo 18 palmos de frente com duas portas e sete metros de fundo, sendo vizinho do lado direito a cãs de residência de José João da Silva e do lado esquerdo a cerca do quintal de D. Cecília Climaco. Entre a referida casa do Sr. José João da Silva, existe terreno ocupado com bomba de gasolina pertencente a casa nr. 20. AS referida casa era construída em terreno foreiro pertencente aos herdeiros de D. Ana Luiza Gomes Ferreira.
• O cartório funcionava na Rua Júlio Belo 92. Era então juiz de direito de Barreiros o Dr. Aníbal Vanderlei Cavalcanti

Procuração

• A primeira procuração data de 10 de janeiro de 1958, de Benedita Francisca de Moura em favor de Luiz Correia de Melo, para proceder o arrolamento de uma casa na rua Djalma Dutra número 82, na vila de Puirassu, pertencente a falecida Maria Luiza de Moura, tendo sido lavrada por Thereza Gomes Ferreira Santos, oficial do registro civil.do terceiro distrito de Barreiros

Herança

• A primeira herança tratava-se de uma casa na rua Joaquim Távora 395 e foi datada de 27 de outubro de 1962, tendo forma de certidão dos autos de arrolamento do espólio de Artur Alves da Silva.

Aforamento

• O primeiro aforamento tratava-se de um terreno situado na rua Joaquim Távora, com 6,50m de frente e 26,00 m de fundos e foi datado de 24 de dezembro de 1962, no valor de cR$ 163.000,00, tendo como transmitente Maria do Carmo Gomes Ferreira e outros e como adquirente José Avelino da Silva.

Registro de Imóvel

• O “Livro de Registro de Imóveis”, aberto em 07 de junho de 1962, rezando sobre a casa situada na praça Constantino Gomes 68, construída em tijolos e coberta com telhas, uma porta e 3 janelas de frente, 3 salas, quartos, cozinha, fossa, quintal, uma parte murada e outra cercada, tece como título de compra e venda e forma de escritura publicada pelo tabelião Antônio Félix da Silva, da comarca de Barreiros, datada de 15 de junho de 1962, tendo o valor de cR$ 5.000,00. Foi transmitente Nilo Teixeira de Moraes e sua esposa Maria de Lourdes Lins de Moraes e como adquirente Maria Gomes.

Câmara Municipal

A Câmara Municipal de São José da Coroa Grande tem como sede o edifício Amaro Marcelo de Melo, sendo formada em 2003 por 9 vereadores que, juntamente com o prefeito, definem os rumos do município, pois tanto apresentam como julgam projetos de lei oriundos do prefeito ou dos próprios vereadores.
Dentre os projetos de lei mais relevantes que passaram pela Câmara Municipal estão a Lei Orgânica do Município e o Estatuto dos Servidores Públicos do Município, ambos enviados pelo prefeito do município. Outra atribuição da Câmara de Vereadores é julgar os projetos lei que estimam as receitas e fixam as despesas para o exercício financeiro, enviados anualmente pelo prefeito do município.

Vereadores eleitos em 1962

Joaquim Gomes Ferreira ( 80 votos ), Wilson Cardoso Sales ( 66 votos ), Benedito Moysés da Silva ( 59 votos ), Antônio Cezar de Macedo ( 54 votos ), Antônio Acioly de Vasconcelos Neto ( 51 votos ), Amaro Marcelo de Melo ( 43 votos ), Antônio Waldemar de Acioly Belo ( 97 votos ), Idalino Gomes Cunha ( 37 votos ) e João Teófilo dos Santos ( 30 votos ). Ficaram como suplentes João Antônio Chaves, José Paulo Filho, Ailton Coelho de Ataíde, Amaro Amorim de Lima, Herculano Newton Cunha, Amaro de Vasconcelos Lemos, Manoel Vieira da Cunha, Cícero José dos Santos e Antônio Gentil Vieira.
Em livros da Câmara de Vereadores constam assinaturas, em 1965, de Amaro de Vasconcelos Lemos e não assinatura de Antônio Valdemar de Acioli Belo, não tendo sido possível verificar a razão da substituição.

Vereadores eleitos em 1966

Noé Pereira de Lima ( 167 votos ), Joaquim Gomes Ferreira ( 121 votos ), José Epifânio de Carvalho Neto ( 114 votos ), Amaro Marcelo de Melo ( 104 votos ), Wilson Cardoso Sales ( 85 votos ), Amaro Amorim de Lima ( 76 votos ), Ailton Coelho de Ataíde ( 66 votos ), Antônio Acioli de Vasconcelos Neto ( 66 votos ) e Idalino Gomes da Cunha ( 66 votos )
No dia primeiro de dezembro se estabeleceu a lei orgânica do município, com a presença do juiz eleitoral ( 126 zona ) Dra. Magui Lins de Azevedo e o prefeito do município João Francisco de Melo.
Em livros da Câmara de Vereadores constam assinaturas, em 1968, de João Antônio Chaves e não assinatura de Amaro Marcelo de Melo, não tendo sido possível verificar a razão da substituição.

Vereadores Eleitos em 1970, para mandato tampão, com posse em 01/12/1970

Janete Buarque da Silva, Eduardo José de Souza, Ailton Coelho de Ataíde, Wilson Cardoso Sales, João Antônio Chaves, Joaquim Gomes Ferreira, Amaro Marcelo de Melo.
Não foram encontrados registros no TRE que indicassem as votações obtidas pelos vereadores eleitos.

Vereadores eleitos em 1972

Joaquim Gomes Ferreira ( 113 votos ), Eduardo José de Souza ( 115 votos ), José Bartolomeu da Silva (112 votos), João Antônio Chaves ( 94 votos ), Manoel da França Lima ( 90 votos ), Amaro Marcelo de Melo (79 votos) e Benedito Moysés de Melo ( 68 votos ).
Registra-se sessão especial por motivo da morte de José Maria Bello, que exercia o cargo de Fiscal e era vereador em exercício.

Vereadores eleitos em 1976

José Xavier da Silva ( 158 votos ), Izaías Pedrosa dos Santos ( 135 votos ), João Antônio Chaves ( 94 votos ), Creuza Maria da Silva ( 116 votos ), Carlindo Francisco das Chagas ( 118 votos ), Amaro Marcelo de Melo, Walter Farias Sales ( 121 votos ), Ailton Coelho de Ataíde, Joaquim Gomes Ferreira ( 110 votos ).
Em livros da Câmara de Vereadores constam assinaturas, em 1981, de Eduardo José de Souza e não assinatura de Amaro Marcelo de Melo, não tendo sido possível verificar a razão da substituição.
Observa-se ainda que os mandatos foram prorrogados por 2 anos, não havendo eleição em 1980.

Vereadores eleitos em 1982

Carlos Alberto C. A. Maranhão ( 69 votos ), José Pedro dos Santos ( 73 votos ), Egildo Barbosa de Oliveira ( 65 votos ), Bartolomeu Lopes de Almeida ( 82 votos ), José Gomes da Silva ( 96 votos ), Izaías Pedrosa dos Santos ( 87 votos ), João Vicente da Silva ( 63 votos ), José Reis dos Santos ( 118 votos )
Nesta legislatura aconteceu tentativa de homicídio contra o então presidente da Câmara de Vereadores Carlos Alberto C. A. Maranhão.
Em registros constam assinaturas de Antônio Arruda de Souza Neto, que inclusive atuou como presidente em 1987, observando-se ainda que os mandatos foram prorrogados por mais dois anos, não tendo eleição no ano de 1986.

Vereadores eleitos em 1988

Antônio Arruda de Souza Neto ( 170 votos ), Gilvan da Fonseca Lins ( 162 votos ), José Gomes da Silva ( 121 votos ), Antônio Francisco de Melo Neto ( 104 votos ), Ednaldo Francisco das Chagas ( 169 votos ), José Pedro dos Santos ( 98 votos ), Amaro Amadeu dos Santos ( 151 votos ), Severino João dos Santos ( 101 votos ) e José de Souza Filho ( 86 votos ).

Vereadores eleitos em 1992

Domingos Sávio de Lima Moura ( 197 votos ), Gilvan da Fonseca Lins ( 216 votos ), Eliete Maria da Silva ( 130 votos ), Severino Ramos Alves ( 125 votos ), Claudenildo Francisco das Chagas ( 213 votos ), José Gomes da Silva ( 145 votos ), Roberto Gabriel da Silva ( 162 votos ), José Reis dos Santos ( 117 votos ) e Ednaldo Francisco das Chagas ( 180 votos )

Vereadores eleitos em 1996

José Gomes da Silva ( 284 votos ), Domingos Sávio L. de Moura ( 200 votos ), Izedequias José de Oliveira ( 150 votos ), Amaro Amadeu dos Santos ( 198 votos ), Edílson Lins de Medeiros ( 220 votos ), Eliete Maria da Silva ( 389 votos ), Nilson Gomes da Silva ( 239 votos ), Waldézio Martins dos Santos ( 291 votos ), Roberto Gabriel da Silva ( 219 votos ).

Vereadores eleitos em 2000

Marcos André Silveira da Rocha Leão ( 317 votos ) José Gomes da Silva ( 249 votos ), Marinaldo Rio Tinto ( 233 votos ), Júlio Geraldo Times Veras ( 237 votos ), Pedro Túlio Barros Góes ( 215 votos ), Valdézio Martins dos Santos ( 291 votos ), Edilson Lins de Medeiros ( 235 votos ), Jaziel Gonsalves Lages – Peu ( 172 votos ), Gilvan Fonseca Lins ( 208 votos ).

Vereadores eleitos em 2004

Odacir ( 612 votos ), Jaziel Gonsalves Lages – Peu ( 448 votos ), Júlio Geraldo Times Veras ( 322 votos ), Walter Farias ( 317 votos ), Saulo ( 253 votos ), Júnior ( 246 votos ), Ricardo ( 215 votos ), Cícera ( 195 votos ), Toni ( 158 votos ).
Observa-se que os candidatos Waldézio Martins Santos – Deo ( 391 votos ), Marinaldo Rio Tinto ( 256 votos ), João Monteiro ( 225 votos ), Gilvan Lins ( 212 votos ), Roberto Gabriel ( 201 votos ), Domingos Sávio de Lima Moura ( 200 votos ), Dudeca ( 178 votos ) Shesmam ( 178 votos ) não obtiveram quociente eleitoral partidário.
Os então vereadores Marcos André Silveira da Rocha Leão, José Gomes da Silva e Pedro Túlio Barros Góes não se candidataram à reeleição
Como registro, os candidatos registrados como Josué Jardim, Cristiane e Cleonor obtiveram 1 voto e os candidatos Zito, Maria Carneiro, Jaciara, Mônica, Mauro do Bar, Rege e Edmilson não obtiveram nenhum voto.

Segurança Pública

Polícia Militar

No ano de 2003, a Polícia Militar contava com destacamento local, subordinado à 3ª Cia dos Barreiros e ao 100 Batalhão de Palmares, tendo na sua composição um Comandante ( Sto. Francisco Braz ), um sub-comandante e 16 soldados, contando com apoio de viatura apropriada e armamento.
A sede foi construída sob a responsabilidade técnica do Maj. José Ivo, tendo como mestre de obras o Cb. José Barbosa, tendo sido inaugurada em julho de 1992, quando era governador Jose Francisco F. Cavalcanti, tendo como comandante da Polícia Militar o Cel. José Carlos L. Falcão.
Em 06 de setembro de 2003, foi instalado posto de apoio policial no distrito de Várzea do Una, em área disponibilizada pelo Una Shopping, tendo a Polícia Militar sido representada pelo Ten Matos.

Polícia Civil

Em 1974, reforçando o quadro da Polícia Civil de Pernambuco, foram concursados bacharéis em Direito, para integrarem o quadro de Autoridades Policiais ( Delegados de Polícia ), da então Secretaria de Segurança Pública do Estado de Pernambuco. A partir de então, foram designados Delegados de Polícia para o interior do estado, pois até então o cargo era exercido por policiais militares.
Em 24/dez/1976 mediante portaria GAB 1.131/76, foi nomeada a primeira autoridade policial do município de São José da Coroa Grande, a Delegada de Polícia Dra. Tereza de Jesus Tenório Pedroza.
No segundo semestre de 2003, encontra-se lotado na Delegacia um efetivo de sete funcionários, sendo uma delegada, Dra. Edva Magalhães Lyra, quatro agentes de polícia, um escrivão ad-hoc e uma funcionária administrativa. Duas viaturas, armamento e coletes à prova de balas são ferramentas disponíveis para uma boa prestação de serviço à comunidade. (informações constam do ofício 305/2003, da Delegacia de Polícia de São José da Coroa Grande ).
Documentos indicam que nos dez primeiros meses de 2003 foram registrados 183 queixas relacionadas com roubos, furtos e arrombamentos; 200 ameaças, lesões corporais leves e desordens; 41 ocorrências graves como lesão corporal grave, maus tratos e também um homicídio, tendo como resultados 82 TCO´s – Termo Circunstancial de Ocorrência e 79 inqueritos.

Conselho Tutelar

O Conselho Tutelar da Criança e do Adolescente de São José da Coroa Grande foi instalado em 5 de dezembro de 2002, tendo como conselheiros eleitos: Cícera Carduro de Sousa, Fabiane Santos de Lima, Marília Manuela R. da Silva, Eduardo Tadeu da Silva e Valdemir Apolônio da Costa.
Como ações desenvolvidas estão visitas a uma média de 40 residências / mês e as providências relacionadas com o estado de miserabilidade e maus tratos familiares com crianças, além de casos de prostituição e alcoolismo, que são encaminhados à Delegacia de Polícia e Promotoria Pública, para que sejam tomadas as providências cabíveis.

Conselho de Direitos

O Conselho de Direitos da Criança e do Adolescente de São José da Coroa Grande foi instalado em maio de 2002, em atendimento ao estatuto da criança e do adolescente, sendo composto por 14 membros voluntários, representantes de órgãos governamentais e não governamentais, sendo ligado diretamente ao Ministério Público Estadual.
Tem como função a defesa da criança e do adolescente, através da formulação de políticas de atendimento ao menor e fiscalização do Conselho Tutelar, tendo para a primeira gestão sido indicados Saulo David de Melo para presidência, irmã Isaura para vice-presidência, irmã Terezinha para tesouraria e Edileuza Barros para secretaria.